Treçolhos

Quando alguém sai do seu país, poucas vezes o faz de animo leve. Diria até que nunca o faz de animo leve. Guerra, perseguição política, crises; económicas ou familiares, amores apaixonados.

Sair de casa implica demasiadas vezes que a casa nunca se volte. Casas não se constroem assim do dia para a noite, amigos não oferecem seus ombros do dia para a noite, e quando saímos do que conhecemos, há mais noites que dias.

Acontece-me por isso de voltar e não saber que sentir.

Há coisas que não mudam em 10 nem em 11 anos. Há coisas que deveriam mudar.

Um amigo que te acolhe como se nunca tivesse deixado de te ver diariamente. Um irmão que cresceu como trepadeira ao sol no lugar que deixaste vazio.

Há os que se regozijam com o regresso, e os que te perseguem: “não tens o direito de voltar” parece ser o texto de cada acto.

É possível saber que dizer?

O direito a existir não se aliena num avião.

O direito a uma história, a uma família não se evapora por não partir o pão de domingo de manhã.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Um Site da Web WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: