senhor António

Acordava sempre cedo. Lembrança do tempo em que fora nadado salvador? Quem sabe. Desse jovem bronzeado, de semblante quadrado e olhos faiscantes sobrara, com generosidade nossa, o faiscantes.

Talvez seja uma dessas palavras que soe românticas sem sentido, mas no caso, aplica-se de forma demasiado fotográfica.

Era faiscante.

Acordava cedo movido pela ausência de imagens que descarregando como um computador em atualização nos embala a todos ao sono. António tinha falta de imagens.

Compensava-lhe um sem fim de sons.

Ouvia tudo e mais umas botas. De novo, literalmente.

Ouvia os pássaros, os galos, as ondas do mar, o ruído do cão da vizinha, o gato de sua irmã que deslizava entre portas. Imaginava-o fazendo isso para o irritar, pata seguida de pata, cauda erguida como vulgar carrinho de choque, o pelo raspando na madeira carunchada, sorria o gato, por despeito ao velho. Sabia-o.

As botas acabavam de o arrancar da cama. Era Ana a da padaria que passava frenética, todos os dias, 5h e 40. These boots are made for walking, imaginava que ela cantava de caminho à farinha. Grande vaca.

Levantava-se em ponto de caramelo.

Poderia sair para correr, mas tinha oitenta anos.

Poderia sair para nadar, o que pensariam de um velho nadador salvador que dava três braçadas e puxava do ventilan?

Preferia manter intacta a imagem do grande nadador salvador.

Assim se via. Era o que ele tinha sido.

Pouco importava que trabalhara sempre naquela baía, onde crianças de um ano vão a banhos sem a ajuda de seus paizinhos, onde a água que faz litoral é mais quente que a de dois metros depois…urina dizem os da praia vizinha, sacudida por ondas, celebrada por surfistas e tão selvagem que  a vendem em garrafinhas do luso.

Tudo isso, não via.Era coisa de falta de imagens, já vos digo.

Se faltava o ver, ainda que de olhar faiscante, sobravam as memórias auditivas: a senhora Cecília com seus bolos buzinando, a criançada de então brincando e a criançada de agora que mais peppa pig menos peppa pig ainda brincava qualquer coisinha.

Frases sem sentido que lhe ecoavam pela cabeça.

Músicas das que não compreendia a letra.

O raspar do gato.

António perguntava-se como chegara aos oitenta. Claramente não dormir não é o melhor para a saúde. Energia não tinha, gastava-a calculando como dormir.

Trabalho assim a bem dizer, nunca fora grande coisa. Sem energia, cansado e rezingão acabara ganhando seus inimigos lá no mercado. Deixara de ser jovem e bronzeado. Já nem a peixeira atrevida o deixava cheirar os chocos…

Fora ao médico claro. Não durmo grande coisa doutor. Uma hora e acordo e depois duas, três no máximo. Há alguma coisa que o preocupe? Nem por isso. Era coisa de muitas coisas, não uma que o preocupasse, eram várias que sem solução o irritavam. Era isso, um chateamento. Uma indignação. E músicas e barulhos. Que poderia dizer ao médico? Que o irritava o primeiro ministro, o presidente, que o tiravam do sério os nazis e os jihadistas, que a moça do café que tirava os bolos e deles se cobrava com a mesma mão, que os sinais de uso exclusivo para clientes, que o iva dos livros, que tudo isso…o tirava do sério?

Preocupar?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Um Site da Web WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: