Cosmo III

Carly, Carolyni, Carlão e ele Cosmo.

Carlão era carta fora do baralho. Carly passava verniz em mãos calejadas, lá mesmo, na comunidade. Carolyni estudava. Tinha ideias requintadas e palavras bonitas, queria ensinar crianças.

Viu claro o caminho da estrada. Foi num banco, pediu um empréstimo e ali mesmo, olhando a mocinha bonita do balcão, perguntou se não fazia falta um faz tudo, um manda a todo o lado? Motoboy sim, veloz, mas com experiência, que não desse o prejuízo de morrer. Que se morresse, se comprometia a pelo menos não sujar as cartas dos clientes vip com o incómodo das entranhas.

A menina bonita olhou-o. Deu sorte, cara. De sorte ele não sabia. Imaginou o corte de seus cachinhos.

Essa noite voltou voando, um deus negro metalizado e uma outra paixão.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Um Site da Web WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: