Rosa

Chegara finalmente para identificar o corpo. Sobrinha eleita. A que vivia mais perto, e a tia privilegiava essas practicidades.

O médico destapou a tia, juraria que nos filmes era uma bolsa plástica rígida, aqui um atoalhado branco. Assim que viu a testa assentiu, o bico de viuva, o sinal sobre a sobrancelha, era ela. Era a tia Luísa.

Assine então no final depois de ler o documento, estendeu a caneta azul guardada na bata. Pediu que a esperara.

Abriu a bolsa repleta de kleenex, uma carteira enorme, o bilhete único solto sobre as lágrimas. Dê-me um segundo…Pegou um estojo, infantil, desses de loja chinesa e catou uma caneta rosada. O médico viajou quando viu a Betty Boop. Há anos que não se encontrava com essa bonequinha dançante.

Destapou a tampa. O bico da caneta deslizou sobre a folha, palavra por palavra. Sublinhou o nome da tia e a idade.

Ele ali, de caneta estendida, a tia vestida de mesa pic-nic e ela com a caneta viajando até ao fim da página.

Está certo!

Aceitou a caneta que o médico petrificado lhe estendia e assinou.

(Exercício da escrevedeira, manias estranhas em momentos insólitos)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Um Site da Web WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: