Quinta-feira

Quinta. Quinta-feira. O trigo dançando no vento canicular, os badalos das vacas lentas, um extenso terminar de dia. Quinta. Dia de seminário, ah já não. Dia de outro seminário, ah já não. Análise, quinta é dia de análise. Analise-se toda a quinta! Os porcos levantam o focinho, galinhas cacarejam, os gatos, vencedores eternos, estiram-se, inconsciente de gato é sem iceberg, arranham no ódio, ronronam no amor. Gosto de gatos. Toda a quinta deveria ter um gato. Quinta-feira, digo. Quinta que é quinta tem mais de um gato. Tem gato por rato, gato por barata, nem sei se gato por degrau, há degraus mais mortíferos que a peste negra. Quinta não quer arquitecturas, deixa isso para terça. Venho pedir uma licença. Desculpe volte para a semana, aqui só cereais. Cereais. Cereais. ce re ais. Ondula como o campo de trigo, veja bem: ce re ais. Sem piada de cereal killer, ce re ais, é ancinho em terra húmida, suor doce em nucas avermelhadas, é melancia de beira de estrada, é o gato, laranja, estendido ao comprido no degrau da entrada, o primeiro, o pialinho, de mármore fresco, não escorregue, que amanhã já é sexta.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Um Site da Web WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: