Susane III

Não sei quanto tempo permaneci assim. Um tempo suficiente para perceber que tudo como era antes já não seria mais. Eu já não seria mais. Incendiei-me inteira e comecei a rasgar o que encontrava, saia, saiote, decote, folho e renda. E mais ardia de não conseguir rasgar tanto quanto queria. E ardiam as mãos e os lábios e os dentes, e mais ardiam de não conseguirem rasgar tudo.

E foi aí que vi. Dois pares de olhos. E eu, Susane Wells, desgrenhada, vermelha e semi-nua. Tapei-me com o chapéu.

Quero a minha mãe! Gritei. Quero a minha mãe! -Nada de ser a Susane e tudo isso, nada de acenar e dizer algo coerente.Ficou tudo turvo e eles desapareceram por momentos. Fui recuperando o ar, e a dor do espartilho e secando os olhos na seda molhada. Os dois quietos, esperando. Um dos homens resistira bastante ao sol, tinha o cabelo liso, penteado e vestia apenas umas calças bem acima do seu número. O outro tinha a pele vermelha, como a que lera nos livros que tinham os índios e os canibais e os violadores de damas inocentes. Mas tinha também olhos azuis, com essa sobriedade inglesa e por momentos imaginei que pudesse fazer-me um chá, e senti sede, uma sede que era só sede da língua toda mergulhar no amargo de um aroma.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Um Site da Web WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: