Namorar

Vem amigo, vamos ali namorar a minha amiga. Filho, namorar é coisa de dois, de um em um, não vão namorar os dois a mesma. Vão, vão. O que é namorar, filho? É ir, ir lá, namorar. Ah é? E que mais? É segredo.   Namorar:  Na- morar: ir e estabelecer residência. Morar-na: ir e…

correr e escrever

Parece que a Joyce Carol Oates, ela mesma, e não só a sua versão Pelé, diz que que correr e escrever são para ela, um gesto contínuo. Estes dias comentaram-me algo similar do Murakami, corre e escreve e escreve e corre. Pensando nesses mistérios do escrever, relembro a Duras, cuja musa era o wiske, que…

Segunda-feira

Compre o leite, o pão, o quilo de tomate, o peixe e os coentros. Perdão, compre o pão. Antes que nada, ou faça o pão, depende de você. Mas que tenha casca, duro, que o miolo seja escasso sem que o pão seja oco. Que o pão seja denso, com muita crosta, resistente, que endureça….

aranhas

Reparei nisso uma manhã destas. Algumas aranhas são peludas. Peludas e morenas. Depois de ver isso, foi difícil deixar de ver. Isso, claro. Não sei o que há nisso de tão capturante, na aranha. Capturante e repulsivo. Voltei a gostar das normais, magras e tímidas que não comem moscas nem mosquitos mas são esperançosas. Como…

Dia de chuva

Era daqueles amores a meias. E pedia meias. Cada tanto o mindinho adormecia, se o sacudissem, podia cair. Uma parte do corpo era de gelo, se o gelo ficasse ali, fazia peso e o corpo não queria responsabilidades. Trocavam-se meias, com sorte. Sem sorte haviam as casas de banho, ecológicas em sopros frios, desafiavam a…

Início do último conto escrevedeiro- Teaser text :)

Pronto! Pronto! Amor, que se passa? O sonho. Outra vez? Outra vez. Põe cara de maçada, apaga a luz e suspira. Maçada, de maça encerada, envenenada, maçaneta quebrada, maçada de peixe sem esse, robalo ou tamboril, molho de tomate, azia. Maçada é palavra de velha. No escuro, o coração acurralado, planeia fuga. Sabe o que…