correr e escrever

Parece que a Joyce Carol Oates, ela mesma, e não só a sua versão Pelé, diz que que correr e escrever são para ela, um gesto contínuo.

Estes dias comentaram-me algo similar do Murakami, corre e escreve e escreve e corre.

Pensando nesses mistérios do escrever, relembro a Duras, cuja musa era o wiske, que é como eu chamo aos bourbons e afins.

Pergunto-me por que ironia do destino, me acontece, de escrever melhor comendo bombons.  Desenganem-se os que pensem que é só pelo açúcar. Comendo gelados não me sai nem uma linha, gomas nem pensar. Há algo de mágico na forma acabada do bombom, nos seus desenhinhos que se oferecem à língua, no mistério do que contém, e enfim, porquê negar…aquele travo transgressor.

Temo que a minha gula me reserve um futuro nas artes menores, ou nas calças largas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Um Site da Web WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: