amêndoa

O sal. Pouco. Torrado apenas, o caju, o amendoim. Torrada apenas, a amêndoa, a avelã. Comprei à pazada, ao peso. Rebolaram amenos para dentro do saco castanho. Em casa mudei-os, todos para o frasco, um tubo cinzento baço, comprando a 13 euros, 3 iam para a unicef. Na ponta uma espécie de taça-tampa. Servi.

Amendoacajuavelaamendoim,amendoimavelacajuamendoa.

Uma amêndoa viva.

As asas largas, riscos em madeira, as antenas quietas, saltou sobre a avelã descascada, queria subir a taça.

Uma amêndoa viva.

Gregor? – eu perguntei

E a amêndoa nada, a subir a subir a subir.

Gregor?- perguntei de novo.

E nada.

Não seria.

Esmaguei a amêndoa à contraluz, entre a porcelana e o cartão. Quase sangue sobre o sal.

Traça.

Não comi mais.

Um Site da Web WordPress.com.

EM CIMA ↑