No ecrã o mundo avança devagar,

ao longe,

uma fina capa sobre a crosta do mundo.

Uma dobra, dourada.

O mundo está fechado,

duas vezes,

trancado.

Dizemos: deita fora, e ele,

duas vezes,

fechado, deita.

Há quem diga que ele é quadrado e aí começa,

o fim.

Gosto de poemas. E de alguns poetas.

Gosto da Julia de Carvalho Hansen. Muito. E não sei explicar porquê. Gosta da Adília Lopes, e sei explicar.

Porquê.

Gosto da Filipa Leal, da Marília Garcia, da Carla Kinzo.

A Carla no insta, uma foto de alguém, diz que no pantanal um macaco chora.

Porquê.

Arde tudo, e o macaco chora porque o mundo acaba.

O dele, o nosso, os poemas.

Porquê.

Nunca sei se sei escrever poemas,

como elas.

Mas choro, como o macaco,

a minha casa também está em chamas,

a beterraba queimou a panela, enquanto olhava o ecrã,

duas vezes fechado,

o mundo estava melhor.

Porquê.

Pela janela, a minha, sai o fumo da beterraba esquecida,

cheira a gasóleo dos aviões,

o dinheiro não para,

vai e vem no céu,

na terra uma coisa morta mata pessoas,

uma coisa morta pequena,

dissolve-se com sabão.

As pessoas choram porque não há sabão que chegue.

Porquê.

E água que chegue.

Os macacos sabem,

o porquê,

ainda importa?

e choram.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s