Borderline

Você é borderline! Santinho! Não, você é borderline. Ah. Que é isso? Que perdeu alguém precioso na sua infância. Ah. Você não? Eu não sou borderline. Quem disse?   Foi para casa. A pessoa dizia que era borderline, que tinha lido e googleado e até estudado com o filho. O filho tinha estudado ainda mais,…

Exercício escrevedeiro de hoje

Boa tarde, o que se passou com a senhora? Foi a minha vizinha que os chamou, o meu neto também é enfermeiro. E o que aconteceu? O cão latiu e ela veio ver o que se passava. Mas consigo, o que aconteceu? Sabe que os cachorros escorregam quando o piso é encerado? Sim. Foi o…

Ainda

Ainda assim o ano vinha estranho. Abriram lugares de estacionamento, escavados aos passeios. Uma ordem aparente. O carril de bicicletas cheio de pedrinhas miúdas e flores secas e peludas que davam alergias. Pelo chão ainda se podiam encontrar bolotas. Há anos que não via papoilas. Tinha a sensação que este ano haveria. E de sobra….

Distopia?

Já não era preciso morrer, e por isso havia nome para tudo. Para os gostos, para as dúvidas, para as escolhas, para as dívidas, para as ofertas, para as portas da casa de banho, para o seu peso, a sua altura. Já não era preciso morrer, e por isso os relógios altos mediam os passos,…

COISAS

Não tem parado de chover. É bom. Havia sede, fogo e terra. Não tem parado de chover. É bom. Lava, limpa, molha. Quando chove muito, parece que o sol não volta. Não tem parado de chover. É mau. Escorregamos, encharcamos, adoecemos. Não tem parado de chover. É mau. Deprimimos, escorregamos, afogamos.   Dizem que o…

Palavras que mudam tudo Exercício.

Ele é do Rio e eu sou daqui mesmo. O que deu encontros fortes e raros, exigiam tantos planos que a preguiça venceu. Um dia ele ligou de novo, tinha saudades, vinha a São Paulo, vamos combinar? Terça às 15h. Fiquei nervosa, expectante, precisava preencher o tempo até lá. Diria que sim a todos os…

Exercício escrevedeiro, primeiro gole:

     A doutora Stahlbaum vai já recebê-lo, e foi logo abrindo a porta. Sou o primeiro do dia. Não há atraso, o que consigo ver da sala é pura arrumação: revistas e jornais sobre a mesa, um poster enorme, negro, antigo com letras castanhas. Estende-me a mão e convida-me a sentar, Clara é tal…