Dos livros deste ano


mês livro e autor
1/1/18 O tumulto das ondas- Mishima
1/1/18 Canções mexicanas- Gonçalo M. Tavares
lindo 1/1/18 A primeira pessoa- Ali Smith 
1/1/18 Homens imprudentemente poéticos- Walter Hugo Mãe
1/2/18 Amor e outras histórias- André Santanna
Maravilhoso 1/2/18 Autobiografia do vermelho- Anne Carson excelente
Perfeito 2/1/18 Um cavalo entra num bar- David Grossman
1/2/18 Distancia de resgate- Samanta Schwebelin
1/2/18 Confissões de um assassino- Joseph Roth
1/2/18 La nostalgia feliz- Amelie Nothomb
Clube de leitores Gonçalo 1/2/18 O mandarim- Eça de Queiroz
1/2/18 Requiem- Antonio Tabucchi
1/3/18 Mrs Dalloway- Virginia Woolf (2x)
mt bom! 3/1/18 O primeiro homem mau- Miranda July
1/3/18 Aldeia Nova- Manuel da Fonseca
1/3/18 O fogo e as cinzas- Manuel da Fonseca
1/3/18 O sonho dos heróis- Bioy Casares
1/4/18 Miniaturas- Andrea del Fuego
1/4/18 O pendura- Jules Renard
1/4/18 Um acontecimento na ponte de Owl Creek- Ambrose Pierce
clube leitura Gonçalo 1/4/18 Manifestos- Almada Negreiros
1/4/18 Flush- Virginia Woolf
1/4/18 O primeiro amor- Ali Smith
1/5/18 Diário sentimental do adultério- Filipa Melo
1/5/18 Diário da queda- Michel Laub
clube Gonçalo 1/5/18 Loucura- Mário de Sá-Carneiro
1/5/18 Na memória dos rouxinóis- Filipa Martins
1/5/18 A festa da insignificância- Milan Kundera
1/5/18 Pureza- Jonathan Franzen
1/5/18 O pequeno abismo- Raymond Chandler
Escrevedeira- entrevista 1/5/18 Opisanie Swiata- Verónica Stigger
clube Gonçalo 1/6/18 Coração, cabeça e estômago- Camilo Castelo Branco
1/6/18 Vento sul- Vilma Areas
Lindo, lindo 1/7/18 Animais domésticos- Luana Schnaiderman
1/7/18 O homem comum- Philip Roth
1/7/18 Eles não moram mais aqui- Ronaldo Cagiano
beleza pura 1/7/18 Bruno Schulz conduz um cavalo- Leda Cartum
1/7/18 O coro dos defuntos- António Tavares
1/7/18 O luto de Elias Grou- João Tordo
mt bom 1/9/18 Um bailarino na batalha- Hélia Correia 
clássico 1/9/18 O primo Basílio- Eça de Queiroz 
Lindo lindo 1/9/18 Sonhos de Einstein- Alan Lightman
1/9/18 O Delfim- José Cardoso Pires
1/10/18 O caso Sparsholt- Alan Hollinghurst (não terminei)
Fora do comum 1/10/18 O mestre-Ana Hatherley 
entrevista escrevedeira-mt bom 1/11/18 Antonio- Beatriz Bracher
1/11/18 O testamento do Sr. Napumoceno da Silva Araújo- Germano de Almeida
clube Gonçalo 1/11/18 Poesia- Sophia de Mello Breyner Andersen
perfeito 1/11/18 O rei faz vénia e mata- Herta Müller  excelente
1/11/18 Era uma vez uma mulher que tentou matar o bebê da vizinha- Liudmila Petruchévskaia
o livro perfeito…maravilhoso 1/12/18 O amor dos homens avulsos- Victor Heringer- MARAVILHOSO
12/1/18 O falecido Mattia Pascal- Luigi Pirandello
12/1/18 A vegetariana- Han Kang






Queridos que sempre pedem recomendações, não deixem de ler :

Um cavalo entra num bar- Grossman

O amor dos homens avulsos- Heringer

Autobiografia do vermelho- Carson

O rei faz vénia e mata- Müller

Os sonhos de Einstein- Lightman

Os animais domésticos- Chnaiderman

Se em 2019 lerem estes 6 livros, já será um ano diferente!

araújo

O senhor Araújo. De seu uma pasta, um fato, uma lata de grão.

Uma filha, que escrevera na secretária, que era de madeira e não uma pessoa. A pessoa que era mãe da filha, vestia saias verdes.

Ele era, obviamente do sporting.

O amor ao clube, dava-lhe pele de galinha, e outras mudanças no corpo.

Depois fez-se velho, deu-se conta, deu, mas muito de vez em quando. 

Tinha um sobrinho, ajudou o sobrinho, mas nunca se decidiu a gostar dele. Não soube se o sobrinho o apreciava ou não. Não soube se era apreciável. Era leal, apesar de nunca ter percebido que quando fez a filha, violou a mulher de saia verde.

Ela final até gostava dele. Ainda assim, aquilo tinha sido uma violação.

Araújo era do sporting, mas as suas escovas de dentes, nenhuma era verde. E tinha muitas. Para os dentes, para a língua. Para o pequeno almoço, para o almoço, para o jantar.

Deixa-nos a pensar o que é a vida e se temos uma boa higiene oral.

 

Reflexões sobre o Testamento do Sr. Napumoceno de Araújo, de Germano de Almeida.

estetoscópio

O quarto é branco. Bem branco. Armários, janelas, paredes. Por isso a cama é tão escura, de uma madeira grossa, oriental, colada com força por algum alemão que come muita proteína. Sim quase ao contrário do que costuma ser. A mesa de noite é de madeira também, outra madeira, adocicada e com nome de fruto. Para ler, um candeeiro com cara de estetoscópio. A luz cai na página e cega um pouco, ela as vezes acha que são as palavras. 

É difícil saber ao certo, sobre as palavras apareceram umas asas, de mosca. Pequenina e rápida, dessas de casa de banho, ela pensou. A mosquita, dessas de casa de banho, no quarto voando perto da luz. Vai-se queimar, talvez. Pousou na sombra enquanto ela lia. Voltou para a lâmpada quente quando as palavras sossegaram. Inquietou-se. Fugia à metáfora, a mosquita, e ela dormiu inquieta.

digressões

Os dois gatos, um branco e outro preto, estendidos ao sol, as portadas azuis abertas e os vizinhos chineses descarregando o camião branco com letras vermelhas, que eu não sabia o que significavam e pensei em copiar e perguntar depois, mas não tinha nada em que escrever, nem caneta, nem lápis, só uma afiadeira na carteira, guardava sempre alguma por lá, no bolso pequeno, uma afiadeira e as chaves, a da casa nova e a desta que ainda tinha porta-chaves: um quarto amarelo e uma cama azul, o quarto do Van Gogh que seria um bom nome para o gato preto que tinha uma orelha ratada, comida por um picotado qualquer, mas que acabara por se chamar Fifico porque era o nome que o meu filho gostava, Fifico, e a outra Fofuca, o gato preto, o gato branco, uma família de cinco, nove orelhas normais e uma a meias.

 

A rua caía para a direita, cheia de paralelipípedos desfocando, desfocando, e o centro da imagem escorria pelo ralo grosso da sarjeta oxidada, a mão fria, o calo magoado de segurar o lápis que transcrevia as linhas torcidas do edifício arte nova, subiu mansa até à orelha, furou o cabelo húmido e teso, preso num elástico tão forte que fazia a cabeça doer um pouco, os dedos procuraram a haste e o sangue voltou às pontas cansadas, às unhas moles, às peles rebeldes de manicure, a haste estava ali, hesitante, entre o rosto, o cabelo, a orelha e os dedos empurraram a rua de volta, para fora da sarjeta procurando os postos de luz que em breve se acenderia, ao céu escuro carregado de urgências de chuva e os paralelípipedos ficaram claros, recortados e perfeitos de arestas, e pude voltar a desenhar.

Bestiário express

O cão a barata a angústia,

mordiam a mosca, a borboleta, o caracol.

No fundo da lagoa três peixes falavam sobre o absurdo,

o lodo mais puro sabe a sal.

O rato, a cobra, a traça

rezavam canções de encantar:

a asa, a casa, e o terminar.

A um canto ela cerzia duas meias sobre o alguidar.

meias

Não me levantei descalça.  Tinha as meias. As noites de lençol e meia. Enquanto eu dormia, sem frio, sem calor, ardia a minha esperança nas borboletas brancas.

Obedeço só a crendices com poesia: borboletas brancas pairando à minha volta? Sorte, boa notícia. Gato preto caminhando na esquina? Se formos para o mesmo lado é boa sorte!

Dentes de leão raros, um por relva? Desejos por concretizar.

Pode ser, pode ser sim, que algumas dessas crendices as tenha inventado eu. Pela poesia. Não, pela beleza. Ou pela ternura, a mesma que um bom par de meias dá a um pé de fim de verão.

Não me levantei descalça. Tinha as meias. A segunda volta. Os memes, os photoshops, os gritos, os hashitaguis, as rezas, as esperanças.

Há-de-dar-sim.

Para continuar vivendo.

Há-de-dar-sim para acreditar um pouco numa outra crendice minha.

Inventei eu também. Olhe para uma pessoa, qualquer. Cruzou na rua, no metro, viu pela janela. Suponha humanidade. Estabeleça contacto visual e aguarde.

Seria essa a ideia das borboletas?

Rodopie buscando o olhar. Se alguém olhar no seu olho, dentro do cristal húmido, que é o mesmo que estava lá antes, na barriga de sua mãe, crescendo com as unhas, os ossos, o cérebro.

O olho, que já estava lá, na barriga da sua mãe.

O mesmo que alguma mão caridosa puxará para baixo quando chegar o fim de olhar.

A pessoa poderá, ainda assim, defender a tortura, a inferioridade de uns em relação aos outros?

Pode, dirão vocês. Já todos sabemos que pode. Sabemos bem demais.

Enquanto aguarda, vista as meias.

Mesmo que seja início de verão.

Mesmo que esteja num lugar quente.

Pelo sim pelo não vista as meias.

Se puder escreva nelas.

Algo inspirador.

Se o outro olho, fugir do seu olho.

E passar por ali uma borboleta, um dente de leão, um gato preto na esquina caminhando para o mesmo lado…

…Vai olhar o vosso pé.

 

 

 

#elenão

Era no ouvido. Por dentro da orelha. Fazia-a pensar numa abelha, numa mosca, um mosquito. Tinham-lhe dito que quando isso acontecia, de entrar um insecto, devia virar o ouvido para a luz e esperar que ele saísse, procurando a luz. Uma metafísica de asas. Girava a cabeça para a janela, e o que rodopiava para dentro da orelha eram os sons habituais. O autocarro tentando parar, a descarga do vizinho, o cachorro do terceiro andar.

Era no ouvido. Por dentro da orelha. Fazia-a pensar numa duna, a areia rodopiando para dentro para dentro, escorregando. Comichão. Não se podia fazer, tinham-lhe dito, ainda assim ia o dedo, a unha, a mão inteira se pudesse. Não encontrava nada. Era uma parede lisa. Girava a cabeça para baixo e ouvia os sons habituais. O duche da vizinha, um assobio, o estendal enferrujado.

Era no ouvido. Por dentro da orelha. Fazia-a pensar numa palavra, uma ideia, um olhar. Tinham-lhe dito que as palavras moem mas não matam. Girava a cabeça para baixo e dava umas pancadas por cima. Não escorria água, nem palavras. Giravam por dentro do ouvido, e faziam ninho sobre as sobrancelhas. Olhava então para fora e o que via não era habitual.

Era no ouvido. Por dentro da orelha. Fazia-a pensar no passado, o que fora, estava nos livros. Mas depois a biblioteca ardeu. E ardeu o museu. E até os jornais arderam, e as pessoas estavam sozinhas com as abelhas nos ouvidos, por dentro das orelhas, pensando que as palavras não matam.

E era o ódio que moía.

Pergunta

A pergunta pela vida chega. Como é que eu sou filho do meu pai? Porque é que tu és minha mãe? POrque é que eu, sou eu? Como é que as galinhas sabem que os filhos são pintainhos? Porque é que a minha avó é tua mãe? E se o Lucas não fosse meu primo, o que ele era?

E investigas.

Mas a vida vem com seu contraponto, disposta a não ser nunca mais a mesma. O que é morrer?O que é matar? Porque o avô Luciano estava doente? Mais doente do que quando me doeram os ouvidos? O que é que ele tinha? E onde ele está agora? Se eu lhe telefonar, ele acorda? Ele está desmaiado? Se eu puxar a pálpebra dele, o que acontece, ele acorda? Mas tens uma foto? Eu quero ver.

(a morte…para quê ver a morte?)

Ainda assim nenhum de nós sabe bem o que responder. Um bicho chamado cancro que estraga o corpo, estar como a dormir, a descansar, já não respirar, agora já está, mas podemos sempre nos lembrar, ele teve uma vida cheia.

Faltou eu lhe dizer uma coisa, liga-lhe que faltou eu lhe dizer uma coisa.

O quê filho?

Que pena que vás morrer avô Luciano.

Ele sabe filho, ele sabe que tu tens pena.

Como?

Essas coisas sentem-se.

Ah.

 

Insiste, quer ligar-lhe. E o teu pai? O meu está vivo. Então porque estás triste? Tenho pena que ele morra, o teu abuelo. Ah. E eu ? Tu também. Eu também estou triste? Sim tu também. Vou ter tantas saudades tuas. Minhas? Quando morreres.

(Quando eu morrer…Um dia. É verdade.)

Tu vais morrer mamã?

Um dia, mas não penses nisso.

e o que vai acontecer comigo?

(não somos todos, crianças afinal, esperando que os nossos pais saibam as razões de tudo, e por saber a razão, e a origem, talvez a origem, parem as coisas que não queremos, parem a morte, a tristeza, a doença? E quando eles são víctimas dessas coisas, como lhes perdoamos a sua falibilidade, a sua pior falha, a de serem afinal tão de carne e osso como as carnes e ossos? )

Vais ficar bem, não te preocupes.

Como é que tu sabes?

Não sei, imagino.

E o avô Luciano, dizemos avô Luciano ou dizemos o que morreu?

Dizemos avô Luciano, porque quem ele é não se resume a como ele está.

E onde é que ele está?

Em casa dele.

E se eu lhe abrir o olho?

(O olho dele é de cinza, o olho mais azul, mais curioso, franzido em correções, deleitado em coentro, o olho dele é de cinza)

Não acontece nada.

Ele está me a ver?

Não.

Como é que sabes?

Não sei…

 

Só sei que faltou dizer, que pena, que pena que morras.

 

Um Site da Web WordPress.com.

EM CIMA ↑