Exercício escrevedeiro, primeiro gole:

  

  A doutora Stahlbaum vai já recebê-lo, e foi logo abrindo a porta. Sou o primeiro do dia. Não há atraso, o que consigo ver da sala é pura arrumação: revistas e jornais sobre a mesa, um poster enorme, negro, antigo com letras castanhas. Estende-me a mão e convida-me a sentar, Clara é tal qual me descreveu o meu tio, uma menina com essa beleza das nossas classes altas, a que o excesso de proteínas deu bons cabelos, boas peles, boas alturas. Mas atravessada por algo inesperado. À Clara Stahlbaum, dizia ele,  fizeram-na num país de encantar, com pitadas de floresta negra.

   Diga-me, você é o sobrinho do Drosslmeyer?

   Sou, Ernest, muito gosto.

   E o que o trás por cá?

   Quebrei um dente.

   Não, cá pela cidade.

   Ah, o meu tio deixou-me a carpintaria.

   Dente partido, então. Abre a garrafa de cerveja com a boca?

Ri-se com macieza.

  Tentava descascar uma noz.

Olha-me, atenta. E eu que pensava que abrir caricas com a boca era idiota…A cadeira é antiga, como de barbeiro, mas adaptada. Os braços e a pia totalmente diferentes da velha estrutura metálica. Os dedos finos passeiam pela minha boca, as luvas cheiram a pó talco e são tão finas que sinto as impressões digitais sobre os veios do dente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Um Site da Web WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: